segunda-feira, 30 de março de 2020

GAIOLA


o passarinho na gaiola não tem caminhos
inventa roteiros quando sonha
ou quando canta e pensa que alcança o outro lado
o passarinho acompanha os passos do homem que o carrega
chão tão perto parece a morte
entre um espaço e outro um intervalo de ferro
nem precisava disso
desaprendeu a voar com a nova dieta
canta porque é o que resta
também restaria a beleza se entendesse de espelhos
entende de espaços partidos ao meio

segunda-feira, 23 de março de 2020

PARECIDO COM UM POEMA


às vezes
algumas palavras
parecem poemas
apenas parecem
igual a uma lágrima
que parece uma água
mas apenas parece
diferem na fonte e no fim
todo rio corre para o olhar
todo mar carece fonte
igual às palavras
parecidas com poemas


terça-feira, 17 de março de 2020

PREFIRO ME TOCAR


vou me tocar
porque o mundo não me faz gozar
tocar o mundo com os dedos
envolvê-lo com as mãos qual um novelo
mas é quase impossível essa manipulação
gozar com o mundo requer outra ação
vou me tocar
porque o mundo não é um bom parceiro
depois que me fode dá as costas e nem se move
fico no deserto olhando o teto
minha beleza some antes das estrelas
então me toco
que a minha relação com o mundo
não vai durar a vida inteira
esperar gozar será bobeira
então vou tocar naquele ponto em que
o mundo não se vê
vou me tocar até me desmanchar
até o mundo querer mergulhar na minha beira
pensando que sou inteira
e quando ele estiver dentro ciente que é o centro
vai descobrir que estou dividida
em cada prega que massageia a sua vida

sábado, 14 de março de 2020

ESFREGA POESIA


a poesia se esfrega em tudo
e tanto
e com tanta frequência
que até as palavras
desaparecem do seu corpo
e ficam misturadas
pelo mundo

sábado, 7 de março de 2020

MINHA MUSA


minha musa parece comum mas é estranha
parece nenhuma mas é tamanha
parece de pedra mas respira
parece que quebra apenas oscila
parece que pira mas não queima
parece uma queda que teima
parece cabelo mas é pelo
parece vulva mas só pentelho
parece um poema mas edema
parece mulher mas não sabe que é
quando parece um homem some
quando parece criança tem nome
e quando chamada pelo nome está longe
quase morta sob a lápide se esconde
minha musa
queria ser perda mas acha
melhor ser estreita e baixa
da altura de um poema que estabeleça
minha musa é a minha cabeça

sexta-feira, 6 de março de 2020

ZOMBARIA SELETIVA


não ligo se o mundo está um lixo
faço a minha parte sendo parte
lixo orgânico meu lugar está reservado
longe dos ciclos e reciclos
não serei aproveitado para nada
desintegrado e integrado conforme
deformarei minhas partes
no mesmo nível do cheiro
ficarei perdido no entulho
para sempre misturado ao futuro                   

segunda-feira, 2 de março de 2020

BARULHO DA FELICIDADE


feliz ninguém é em silêncio
felicidade requer alarde
grito retrocedendo manhã
susto revolvendo tarde
corte dividindo noite
requer ter voz
quem da felicidade prova
canção maior que a boca
despregada da audição
corpo sem membros
de um louco atravessando a tormenta
sem guardar a chuva


sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

POEMA COM EXPLICAÇÃO NO RODAPÉ


da meditação pincei uns dias
dispostos em desordem
ao redor do corpo pertencente
a uma sombra que desconheço
porque a luz tomou tudo
de modo que os olhos
tornaram-se inúteis
e o que precisa ser iluminado
apenas terá sentido se for visto
toda a essa luz no rodapé da página
afasta a possibilidade de leitura
e inutiliza tudo o que foi escrito até aqui

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

ANIMOCIDADE


assim como as aranhas tecem no escuro
e o musgo faz crescer o muro
órfãos são transplantados
de um corpo para o outro
sem a necessária umbilical ausência
assumem um tamanho
em que o mundo não precisa de essência
deixam de se aguardar
e se agarram às entranhas
do mesmo modo como o muro
se ampara no músculo da aranha