quarta-feira, 19 de setembro de 2018

CARÊNCIA EFETIVA


meu coração por fora é assim
parece estar por dentro
meu coração por dentro é assim
parece estar por fora



terça-feira, 18 de setembro de 2018

ENQUANTO O MEU AMOR ESTÁ DORMINDO


meu amor dorme
e nem sabe que eu existo
sonha comigo sem saber
quem eu sou no seu sonho
acorda com o sonho esquecido
mas lembra que foi bom e sorri
o sorriso parece uma janela que não precisa de paredes
mesmo que lembrasse o sonho
não teria a quem contar
meu amor está sozinho
e nem sabe que é meu
vaga pelo mundo
como se não tivesse dono
por isso não tem a quem se entregar
nunca vai me encontrar
vai ficar perdido para sempre
no meio de um poema
como se num poema
fosse permitido ao amor se perder




quinta-feira, 13 de setembro de 2018

ANOTAÇÃO SEM FUNDO

a ilusão do profundo se perde  em segundos
a vida é rasa quase no fundo
e acima do peso da vida
o peso do mundo
respirar é uma constante desavença
pensar que o sangue guardado no corpo é uma doença
não melhora
levantar não compensa
pensar fora da cabeça
fazer parte de outra parte
não faz encher a vida
não nos faz outra peça
somos a mesma que desagrega
pensamos estar rente à vida
estamos abaixo do fundo
olhamos para cima
mesmo sem vista
mesmo sem cabeça
olhamos para cima
como quem pensa

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

RETÓRICA DO SILÊNCIO



não existe a melhor maneira de dizer
a flor abriu o dia em silêncio
ou
o dia permitiu à flor nascer amordaçada
é noite
e a flor espera
participar do sonho do insone

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

SOBRE RAÍZES E FRUTOS


meu peito
não tem comunicação com o mundo exterior
sua raiz se desenvolve
fora do alcance da minha visão
mas todas as raízes assim se desenvolvem
porém não sei
qual o fruto do meu coração




segunda-feira, 20 de agosto de 2018

OS OLHOS QUE ME VIRAM


estive pensando nos olhos que me viram
nos olhos que me guardaram
tentei viajar para o lugar
aonde esses olhos puderam me levar
não saí daqui
pareço plantado
nenhum olhar me leva para outro lado
olho para mim no espelho
nem meu olhar me carrega
sou uma prega
no canto da boca do segredo
não tenho medo
das suas palavras
são de água
daquelas que não matam a sede
mas provocam enchentes


terça-feira, 14 de agosto de 2018

PARA ONDE VÃO AS DORES


para onde vão as cores
quando as borboletas dormem
para onde vão as dores
quando as pessoas morrem
eu sei esse lugar
onde as palavras não podem entrar
onde borboletas e pessoas
se misturam com o escuro
e o infinito se acumula
até formar um muro


terça-feira, 7 de agosto de 2018

APENAS UM RISCO NA PAREDE



a dor já está quase passando
daqui a pouco você nem vai sentir mais nada
ao mesmo tempo
a ferida vai se fechar quase sem você perceber
e vai descobrir que ficou a cicatriz
que também com o tempo
nem vai mais ser percebida
vai parecer um risco na parede da pele
ou um traço de uma pintura malfeita
e você vai constatar
mas não vai contar para ninguém
que por dentro a vida é imperfeita

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

MAEVE JINKINGS


eu vejo você na lua
mas parece que é tão perto
parece a pele da gente
que está no teto
repleto de estrelas
repleto
como se fôssemos as estrelas no teto
que ao te ver tão perto
pensasse que a lua fosse a nossa pele
mais perto


sábado, 21 de julho de 2018

CANTO EMPALHADO


o canto do passarinho empalhado
corta a tarde
como um brinquedo de corda
nós sabemos que em determinado momento
ele vai parar
mas enquanto canta
espanta o pensamento
do empalhamento