sexta-feira, 9 de novembro de 2018

OUTRO TEMPO


para Iri

depois de ti
o tempo agora é outro
transformou-se em algo que não sei o nome
a sombra da nuvem sobre o lago
protege o peixe dessa palavra
e mesmo que não protegesse
ou mesmo que a nuvem não estivesse sobre
a palavra que não sei
seria esse outro tempo
que me lança ao teu encontro


quarta-feira, 31 de outubro de 2018

OS OSSOS DA MINHA MÃE


os ossos da minha mãe
não são mais virgens
tocados por esse poema
encontram uma poeira inesperada
a poeira da falta
brota por dentro
parece um sentimento
mas longe disso
é física
possui raízes transparentes
e um esquisito espírito
repleto de veias e luzes
espaços e cruzes
e em cada uma delas
meu corpo pregado me espera
chegar com as flores que posso sangrar
com as lágrimas que posso regar
alargar a distância do medo
até formar um novo esqueleto


sexta-feira, 19 de outubro de 2018

VENDAVAL



não importa o vento
a poeira vai baixar com o tempo
e aos poucos
tudo será passado
sobre o tempo soterrado

OUTRO CORAÇÃO


meu coração agora é outro
bombeava sangue
agora não importa
bombear esperança ultrapassa o corpo
movimenta outras formas
floresce novas entranhas
meu coração não mora mais no meu peito
não precisa de sustento
suspenso projeta a sombra
sobre o movimento
meu coração parecia amar
amar é o nome que mais se aproxima
do que ele se inventa
abraça sem se importar que nesse momento
ficará por dentro


segunda-feira, 15 de outubro de 2018

A ESPERANÇA É UM PÁSSARO


joguei o pessimismo na última gaveta
e guardei a chave (nunca se sabe)
espalhei as esperanças sobre a mesa
as possíveis e as impossíveis
as pequenas e grandes esperanças
as esgarçadas as desbotadas
as furadas as incompletas
as que eu havia jogado no lixo
inclusive as apagadas
meu olhar repleto de propósitos
a esperança é um pássaro
parece frágil parece solitário
mas o espaço ao redor todo lhe pertence


sábado, 13 de outubro de 2018

PRECISÃO


nem precisei sonhar com você
para saber onde minha cabeça estava
nem precisei tocar o seu corpo
para saber que eu flutuava
nem precisei dizer o que sentia
para saber como eu falava
nem precisei precisar
escrever tudo isso
descobri que precisar não é preciso


sábado, 6 de outubro de 2018

NÃO ADIANTA LEMBRAR


não adianta lembrar
porque nada vai voltar
o canto do olho do mar pisca
e acham que são ondas que se quebram
porque encontrar algo quebrado
impossibilita guardar por inteiro
lembrar do mar antes dessa maré
não vai fazer com que ele
feche o olho ou volte a te olhar
sem pensar em te afogar



domingo, 30 de setembro de 2018

58


de súbito
a morte  não veio
nem veio
quem eu esperava
nem cheguei
para quem me espera
eu sei que é primavera
mas nem todas as flores sabem
e se metem em invernos incontáveis
e saber que é primavera
não me torna uma flor
sou mais pedra que perda
mais frio que dor
a morte não veio
ou quando veio
eu estava tão distraído comigo
que me enterrei
pensando estar num abrigo
pensando que pensando
eu seria uma semente
mas o pensamento apodrece
e o que cresce
parece o tempo que não nasce




segunda-feira, 24 de setembro de 2018

ESSE TREM QUE NÃO VEM



queria pegar o trem agora
e ir até o fim da linha
porém não existe mais o fim da linha
os trens fazem conexões e
fatalmente
vão te fazer retornar ao ponto de partida
então fico aqui sentado
vendo as paisagens fugindo ao meu lado
e não se repetem
para onde vão as paisagens 
enquanto estou sentado
talvez à procura
de alguém que não me enxergue na paisagem
talvez para as paisagens
exista um fim da linha
um quadro que ao ser pendurado
curve a parede

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

CARÊNCIA EFETIVA


meu coração por fora é assim
parece estar por dentro
meu coração por dentro é assim
parece estar por fora