quinta-feira, 30 de julho de 2015

A BALA E A LANÇA

não sei mais entristecer
a alegria é um soco na balança do mundo:
um leão ou uma pessoa,
tantos fazem próprias suas leis;
engulo os ângulos e as retas
de um modo de ver a bala
e a lança do mundo;
não sei mais entristecer
a alegria tem outro cheiro
de leão e pessoas que cheiram mal
à felicidade na balança do mundo



Poema de G.VIEIRA.
Visitem: TODAPALAVRATODA.BLOGSPOT.COM.BR e vocês vão ter o que a poesia é capaz de faz ter

quarta-feira, 29 de julho de 2015

REPOUSO FORÇADO

a palavra faz
um repouso forçado na página
deveria estar voando
o combustível da palavra é o sonho
os sonhos acabaram
sonhos não precisam de palavras

         

segunda-feira, 27 de julho de 2015

MADRIGAL CLARO

borboletas pulam de uma flor para outra

ou uma flor empurra a borboleta para a outra flor?

RALO

sombra esquartejada pela soma
nesga de flor no olho da luz
nunca viver parece forte
o ralo do sonho deságua na morte


sexta-feira, 24 de julho de 2015

AO OSSO


para chegar ao osso
é preciso comer a carne
para chegar à noite
é preciso comer a tarde
para chegar ao fim
é preciso comer o meio
porque o princípio é comer
seja o que for seja o que veio
mesmo que seja fraco
mesmo que pense ser forte
para chegar à vida
é preciso comer a morte



quinta-feira, 23 de julho de 2015

CORTANDO PALAVRAS

corte a palavra ao meio
e não vai sair sangue
apague a palavra
e ninguém vai sentir falta
suspensa entre o olhar e o ouvido
ninguém escuta o seu coração
não há sangue
mas pensamentos vasculham
suas vascularidades inúteis



PARALELO

saio de um sonho
que não quero sair
acordo para uma vida
que não quero viver
falo o que não quero falar
ouço o que não quero ouvir
faço o que não quero fazer
como o que não quero comer
bebo o que não quero beber
passo pelo dia sem que ele consiga me passar
paro antes
exatamente onde não quero parar
penso o que não quero pensar
escrevo o que não quero escrever
morro quando a morte me quiser morrer

segunda-feira, 20 de julho de 2015

ANTECIPAÇÃO DA PALAVRA

antecipei a palavra
e quase fui esquecido
a palavra e o que ela carrega
não nas costas mas nas entranhas
a palavra que só se mostra quando se caga
desapega do corpo por um orifício
o seu significado e não o modo como é escrita
seu risco que só existe quando é visto
seu significado que só pode ser imaginado
imaginado mas não sentido
quase fui esquecido
quando me antecipei à palavra
mas sem palavra não há como ser visto
mesmo no escuro enterrado
a palavra cravada sobre a lápide
nominando o que se quer lembrado


sexta-feira, 10 de julho de 2015

ESTRELAS SÃO PRÍNCIPES

estrelas são príncipes
que nunca vão ser reis
solitários no infinito escuro
choram uma luz
que pensam ter


NATIMORTO

  todo poeta nasce morto isso explica sua briga inútil com a vida usa palavras e delas se defende se transforma em estátua quand...