sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

APRENDER COM FLORES


poetas aprendem com flores
a despetalar-se sem perder as cores
que é necessário o estrume
para alcançar o perfume
poetas aprendem com flores
a permanecer com a mesma cor
nas mãos do morto
nas mãos do amor
permanecer com o mesmo odor
permanecer calado
porque é efêmero seu significado
aprende com a flor
uma verdade enxuta
nem toda flor depois é fruta
poetas aprendem com flores
que com flores não há aprendizado
enquanto não existem são mudas
poetas existem não são cultivados                                             



quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

SABES QUE ME ODEIAS


sabes que me odeias
? então por que me sonhas
? por que podas as plantas dos teus pés na minha cara
? por que me encarnas
? por que demarcas linhas em minhas costas
? por que meu sangue cobre a lente dos teus olhos
? por que teu tempo se acumula em minha porta
? por que me salvas ao me lembrar de que existo
? por que escorres em minhas calhas
sabes que me odeias
? então por que me cabes num poema e ainda sobres
? por que me encaixas no teu peito e em tuas sobras
? por que me matas e não me enterras na memória
? por que meu corpo pendurado em teu pescoço é o teu pelo
? por que me expeles dos teus poros e me evapora
? por que te encantas enquanto chovo sem molhar tua cabeça
talvez nem saibas que me odeias
cultivas alguma dor que nunca exala
e finges obter o cheiro com meu medo
e não suportas a ideia de um ódio ultrapassado

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

BAGAGEM


minha lágrima
abaixo do nível do mar
minha mágoa
não sabe o que é navegar
ancorada num canto da fala
confunde o mar com a chuva
desenha no olho miragens
e deságua numa viagem
sem bagagem