quinta-feira, 29 de outubro de 2015

CABELO AZUL

pintei meu cabelo de azul
sem lembrar o céu
mesmo assim as estrelas surgiram
entre uma orelha e outra
e a lua ficou pendurada na minha nuca
pela manhã o sol irrompeu o meu crânio
derreteu o meu juízo
que se transformou nessas palavras

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...