quinta-feira, 29 de outubro de 2015

CABELO AZUL

pintei meu cabelo de azul
sem lembrar o céu
mesmo assim as estrelas surgiram
entre uma orelha e outra
e a lua ficou pendurada na minha nuca
pela manhã o sol irrompeu o meu crânio
derreteu o meu juízo
que se transformou nessas palavras

Nenhum comentário:

RUA BENFICA

  o mais antigo numa casa antiga é o silêncio divide o corredor com o tempo ambos trôpegos quase abraçados espalham grossas pa...