segunda-feira, 13 de outubro de 2008

DESSEDENTE

claustrófobo
recuso o ventre materno
recolho-me ao porvir
mato minha sede
com o fim

Nenhum comentário:

SEDE

 um poema escrito na água cumpre sua função  de sede