segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

CORPO DESAPARECIDO


sempre que passo por essa rua
lembro da inundação
do modo como a água invadiu nossos pulmões
o peso no peito e a impossibilidade de respirar
durante a inundação não há como alcançar a tona
a tona é uma rua que entra em outra rua que entra noutra rua
o corpo arrastado aos poucos vai alterando a esperança
de ser salvo por algum dia ser encontrado
nem que seja num poema

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...