terça-feira, 30 de maio de 2017

ARQUIVO ANTIGO



não há nada que um corpo não guarde
almas que parecem uma
sangue com tendência à queda
ossos sem alicerces 
e guarda a sombra do outro
que gruda na pele
até desaparecer

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...