sexta-feira, 2 de junho de 2017

TEGUMENTAR



o azul separa o céu do restante do corpo que
abismado
espera que as asas suportem todo o peso
porém
nem tudo cabe num abismo
risos esmaltados de sangue
lembrando unhas esmaltadas de sonhos
retribuem com sorrisos inflados de pó
queria que me vissem
quando fechassem os olhos
queria ser a escuridão ou menos
eu queria ser tudo nem sou meu

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...