segunda-feira, 25 de novembro de 2019

QUANDO SOU ANJO




finjo que sou anjo quando bato as asas
acordo o pranto coberto pela poeira
mostro do que é feita a memória
fingimentos longe da história
quando bato as asas pensam que sou anjo
abrem a porta da gaiola
quando estou livre não sei mais fingir
minhas asas não cabem no mundo
cruzo os céus sem saber onde dor
pouso no abismo sem fundo

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...