quinta-feira, 19 de novembro de 2015

O MAL NÃO EVAPORA

o mal não evapora
mesmo encalhado
não desce entre as frestas
o mal não tem pressa
não se represa
inunda sem molhar
afoga mas deixa o ar ainda circulando por alguns momentos
sem entender o idioma dos pulmões
o mal não evapora
amontoado ao lado do sal entre o sorriso e a areia
espera o desembarque sem frio
oferece o casaco com o bolso repleto de arrepios


Nenhum comentário:

BEIRA DO LUGAR

vou aonde me cabe onde me sobra aonde me cobra estar por fora vou aonde me acende onde me entende onde me aguarda estar ausente vou aonde me...