sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

QUARAR

como se soubesse que o sol
nunca mais vai nascer
o cego recolhe seus olhos na gaveta
pendura o corpo no armário
e deixa a sua alma secando
entre a poesia
e outras palavras
menos frias


Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...