segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

MINHA PALAVRA



minha palavra curva
não preenche o que pretende
reta não se atura
linha que sutura o silêncio
inábil sangue que se diz um sábio
e foge como um incêndio
minha palavra larga
não se apega à altura
queda anunciada sem amparo
corpo que derrama pelo furo
minha palavra calma
não sai da boca do futuro
perece junto com o que fala
parece a argamassa do escuro

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...