terça-feira, 12 de janeiro de 2016

FLERTE

olho para a poesia
como quem não quer nada
ela me olha de volta
e como quem não quer nada
me dá essas palavras
são poucas
são fracas
mas ela se quer assim
 

Nenhum comentário:

RUA BENFICA

  o mais antigo numa casa antiga é o silêncio divide o corredor com o tempo ambos trôpegos quase abraçados espalham grossas pa...