quarta-feira, 28 de setembro de 2016

LENÇO

a alma lavada
dobrada no bolso
nunca se sabe uma lágrima
um cisco no olho
uma gripe

Nenhum comentário:

SEDE

 um poema escrito na água cumpre sua função  de sede