segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

FORA DOS TRILHOS



quando lembrei dos meus olhos
tudo já havia passado
desci numa estação que desconhecia trens
senti o peso do tempo sobre os meus ossos
espalhados sobre os trilhos
minha pele meus nervos meus músculos
caíam dos sonhos do outono
sem estardalhaço
e sem saber como voltar


Um comentário:

Touché Lopes disse...

Caro poeta:creio que essa frase tem a ver com o seu poema : "A poesia tem o dom de calar a ignorância. Para ser poeta tem que ter o coração aberto. Os versos são amores em linhas." (Mel Fronckowiak). Realmente, o poeta abre o coração, desnuda-se perante o leitor e isso é muito corajoso e generoso.. Parabéns..