segunda-feira, 8 de junho de 2020

ENQUANTO MEUS AMIGOS ME CARREGAM


preciso distribuir o peso do meu corpo
entre os meus amigos
esquecer a forma das labaredas
tornar possível meus ossos
meus nervos meus cabelos
nas suas mãos em concha
deixar parecer ser água
toda essa angústia
e que ela fuja
entre os seus dedos
que eles não tenham medo
ao descobrir o ralo entupido

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...