quarta-feira, 24 de junho de 2020

FRATURA EXPOSTA


osso de preto é branco
osso de branco é branco
como é vermelho o sangue de ambos
o cego preto não enxerga o branco
o cego branco não enxerga o preto
é necessário alguém dizer ao cego branco
que o rosto que ele toca é de um preto
como ao cego preto também é dito
mas para ambos isso não tem o menor significado
o tato não reconhece a cor
o tato é de fato o ato
do sentimento do formato do outro
o outro é o que o tato sente
o tato é o que é sentido
onde não há sentido sentir a cor
como para ambos não importa
se a cor do osso é a mesma
se a cor do sangue é a mesma
o tato não alcança a cor do osso
nem a cor do sangue sob o pescoço
nem a cor que cobre a pele
nem a cor do amor nem a cor do ódio
para um cego
todas as cores estão longe
como deveria ser para todos que enxergam
olhar para o outro
com o olhar do tato
sem precisar expor o sangue
sem precisar expor o osso

2 comentários:

Ana Cristina Bessa disse...

Excelente!
Amei!
Você colocou a importância da cor da pele no lugar certo.

Touché disse...

Lindo poema !! bem pertinente,bem a calhar nesses tempos de intolerância. O pior cego é o que não quer ver,diz o ditado. Parabéns !!