segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

PAREDE DE ÁGUA


a lágrima escorre
pelo espelho
lambe a superfície
ambígua do meu corpo
pequena solidão
desamparada
parecendo morta
solta parecendo
claridade
abrindo a porta

Nenhum comentário: