segunda-feira, 4 de agosto de 2014

SOB O CONCRETO

todo esse concreto
pode meter soco faca
pode meter bala
e não vai sair sangue
não vai cair de febre
não vai gemer nem curvar
no máximo se arranhar
arranhão de fácil reparo
quanto a mim
estou quieto sob o concreto
mais quieto que o próprio concreto
não aguento soco nem faca
não aguento bala
meu sangue corre lento
por dentro tento
parecer o sangue do concreto
um sangue que nunca escorre
que nunca morre



Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...