terça-feira, 1 de maio de 2012

LÍQUIDO E VERMELHO

nunca mais cuspi sangue
porque não há mais sangue
a ser cuspido
o que corre
em minhas veias
são os gritos
dos meus sonhos
derretidos

Nenhum comentário:

SEDE

 um poema escrito na água cumpre sua função  de sede