quarta-feira, 29 de abril de 2015

TREINANDO PRA MORRER EM SÃO PAULO

a primeira vez que cai do andaime
deu tempo de acionar as asas
pousei lentamente na calçada
a primeira vez que passei fome
a barriga estava aberta
e um passarinho pousou entre a fresta
a primeira vez que morri de frio
eu morava fora do corpo
usei o sangue pra acender o fogo
a primeira vez que fui atropelado
meus ossos estavam desmontados
ergui uma parede sem compasso
a primeira vez que fui discriminado
nem percebi que era comigo
plantei flores ao redor do umbigo


Nenhum comentário:

NATIMORTO

  todo poeta nasce morto isso explica sua briga inútil com a vida usa palavras e delas se defende se transforma em estátua quand...