quinta-feira, 4 de março de 2010

EXTERIOR EXTIRPADO

minha dor
nunca ultrapassa os limites
chega até à morte
e daí não passa
gritos esparsos
espasmos
pequenas gotas
num oceano sem água
minha dor
sente meu latejar
projeta uns sorrisos
até me extirpar

Nenhum comentário:

SEDE

 um poema escrito na água cumpre sua função  de sede