quarta-feira, 6 de maio de 2009

BOLETIM

os sentimentos me intubaram

não há remédio

o amor a dois palmos

dos braços de chumbo

a tristeza embutida

no peito inviolável

o amargo planar

da alegria sem asas

constantes fisgadas

na altura da alma amputada

os sentimentos me intubaram

viver não tem cura

Um comentário:

Anônimo disse...

tedinho, tedinho,
viver, realmente, não tem cura.
gosto cada vez mais da tua poética, inclusive...