quarta-feira, 24 de novembro de 2010

INDESTINOS

as flores que interrompem o intestino
são flácidas
gastas pra quem vem
entre os asfaltos
meu intestino moderno
reduz o terno
compasso que escrevo
escravo da palavra
resisto
falo de falo por dentro
do delgado intestino

Nenhum comentário: