segunda-feira, 29 de novembro de 2010

PRISMA

triste como um prisma
recebo a luz
e espalho cores
em algum lugar fora de mim
não tenho luz
não tenho cores
a dor que a luz provoca
ao me traspassar
é a mesma
que o poema provoca
ao me calar

Nenhum comentário: