sexta-feira, 27 de março de 2015

AÉREA II

minha cabeça atravessa o espaço
e pousa entre os escombros
planeta tal é o meu olho
meus dedos são estrelas
esse corpo que enxergam
pensando que é o meu
é o fragmento de algo que não sinto

Nenhum comentário:

NATIMORTO

  todo poeta nasce morto isso explica sua briga inútil com a vida usa palavras e delas se defende se transforma em estátua quand...