quarta-feira, 25 de março de 2015

MARINHA IV


subimos o rio

à altura do mar

barcas impacientes

cravaram suas quilhas

em nuvens desmaiadas

marinheiro sabe

qual o sentido do arrepio

desfralda a pele

poreja leve

e mergulha na pedra

que sonha ser água

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...