sexta-feira, 27 de março de 2015

AÉREA III

a poesia é um ar irrespirável
inocentes os que a respiram
pensando salvar os pulmões
a mancha produzida
é imperceptível a olho nu
mas do espaço forma um buraco
do tamanho que faço


Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...