quinta-feira, 28 de junho de 2012

AO INFINITO

depois das flores
os jatos de neon
perfilam tensos
troncos amanhecidos
talvez de árvores
talvez de homens
erguem os braços os galhos
em direção ao infinito
para onde foram as copas das árvores
as cabeças dos homens
eu já fui também

Nenhum comentário: