terça-feira, 26 de junho de 2012

PORTAS

há milhares de anos
uma porta ergueu-se
entre mim e o nada
a poesia é a chave
construo mãos
usando palavras inacabadas
circundo a maçaneta
com meus cinco medos
deveriam ser os dedos
com eles fixo o meu corpo
entre a madeira e o osso

Nenhum comentário: