quarta-feira, 25 de setembro de 2013

SE A POESIA CHOVESSE

se a poesia chovesse
e movesse a minha cabeça
entre uma margem e outra do rio
talvez eu me dragasse do vazio
e preenchesse sem as minhas partes
a parte que me cabe no infinito

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...