sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

SÍTIO

pés de folhas escalando cascos
ventre de madeira de nós
braços retalhados de sombra e sal
o sentar-se no cimo sem ladeiras
o cheiro do mar escondido nas folhas
caroço maior que a boca e o sumo
planar em segredo sob os muros
guardar todo medo no futuro