quinta-feira, 12 de maio de 2011

A FLOR SOB O VESTIDO

esse sorriso clandestino
girinos roçando a lagoa do meu olho
o atalho recortado que colei no caminho
a lágrima apagou
perdido
tal qual uma flor
nascida num umbigo
que murcha asfixiada
sob o vestido

Nenhum comentário:

RUA BENFICA

  o mais antigo numa casa antiga é o silêncio divide o corredor com o tempo ambos trôpegos quase abraçados espalham grossas pa...