quinta-feira, 12 de maio de 2011

A FLOR SOB O VESTIDO

esse sorriso clandestino
girinos roçando a lagoa do meu olho
o atalho recortado que colei no caminho
a lágrima apagou
perdido
tal qual uma flor
nascida num umbigo
que murcha asfixiada
sob o vestido

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...