sexta-feira, 6 de maio de 2011

MANCHA NA PELE

a mancha na pele da poesia
torna o dia sem pele
e o dia sem pele anoitece
enquanto o nervo adormece
a mancha na pele da poesia
fatia roupas quase leves
e as roupas quase leves
não se aquecem nos corpos
que amanhecem

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...