terça-feira, 14 de junho de 2011

DE CORPO AUSENTE

sem pelo
o corpo despede apelos
sem pele
o corpo despe-se do pelo
sem osso
o corpo cobra alvoroços
sem aço
o corpo evapora abraços

o que ultrapassa a nuvem
não é de chuva
nem de pássaro
embora de aço
o que acumula o espaço
não precisa de um corpo

Nenhum comentário: