quarta-feira, 29 de junho de 2011

ORGASMO DE BARRO

meu orgasmo de barro
não durou um inverno
quem enxerga aço no meu olho
enxerga espelho
enxerga nos próprios gestos
objetos dos seus medos
meu orgasmo de barro
sabia da chuva
sabia dos olhares e dos esgares
manteve os olhos fechados
e o aço enxergado
foi imaginado

Nenhum comentário:

NATIMORTO

  todo poeta nasce morto isso explica sua briga inútil com a vida usa palavras e delas se defende se transforma em estátua quand...