segunda-feira, 20 de junho de 2011

PASSADO

nem agora nem amanhã
restou incólume o passado
rio que corre num leito errado
e os peixes o sobrevoam
à espera do mergulho impossível

Nenhum comentário: