terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

DEPOIS DA CHUVA

a água que molhou a asa do passarinho
fabricou esse canto
onde cabe o mundo
e um pouco que sobrou do lado de fora
esse poema agora

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...