sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

DESEMBARQUE ARTIFICIAL


desembarco nas costas do mundo
ancas de plástico me recebem
poucos percebem o sol artificial
mesmo assim fabricam sombras
a poesia é o torniquete
para o meu tédio
o silêncio é um caminho mais áspero
entre os dois
cavo essa espera
sem saber que é a minha cova

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...