quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

O QUE ME MATA

meu pescoço
no avesso da gravata
ainda não é isso
que me mata
o calor pingando
fogos artificiais
a espera de uma escuta
uma palavra simpática
algo que me faça
não pensar mais
essas coisas
o que me mata
passa longe
do que eu vejo
e engole tudo
que eu sinto

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...