quinta-feira, 6 de março de 2014

ANDOR

a tarde me evita
como se estivesse magoada
encosto-me ao mundo
ele se nega
desabo sem perder pedaços
rolo inteiro
até alcançar o fim
perdido na multidão
assisto carregarem o meu corpo
enquanto recito
invento outra língua
não entendo o que digo
finjo-me de surdo
deixo que as palavras
imitem os meus gestos

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...