terça-feira, 3 de janeiro de 2012

FUNERAL DE UM AUTOMÓVEL

para onde vai o automóvel morto
e a sua alma
perfumada a gasolina
pobre dos seus
ao seu enterro
acompanhando a pé
de óleo ainda
não é a lágrima
preservam o olho a face
da comum ferrugem
misturam o pranto
ao barulho do motor enterrado

Nenhum comentário:

NATIMORTO

  todo poeta nasce morto isso explica sua briga inútil com a vida ataca palavras e delas se defende se transforma em estátua qua...