terça-feira, 3 de janeiro de 2012

OS CULHÕES DO MEU PAI

onde a minha vida começa
cheira ao corpo da minha mãe
houve saliva
úmido vale
plantas
marcando as costas do verão
houve a solidão
dividida entre os testículos
onde a minha morte começa
cheira ao corpo do meu pai
houve olhares
precipícios de luzes
nãos
feitos de carne e sangue
houve a escuridão
encharcando grandes lábios de cruzes

Nenhum comentário: