quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

NAVIOS DE VERDADE

o que se pode esperar
de um falso mar 
repleto de navios de verdade

o que se pode esperar
de um abismo fechado
entre os trilhos

e os passageiros dos navios e dos trens
catando palavras parábolas
como pulgas catam sangue
nas costas do mundo
e morrem anêmicas

Nenhum comentário:

SEDE

 um poema escrito na água cumpre sua função  de sede