quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

CHUVA NO TELHADO

não ouço mais
a chuva no telhado
nem sinto o seu cheiro
lembro de um antigo filme
onde eu era um figurante
ao fundo quase apagado
soltando um barquinho de papel no córrego
o barulho da chuva me fazia protagonista
hoje sou apenas mais um figurante sem telhado

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...