terça-feira, 4 de outubro de 2011

PAPEL DE POEMA

poemas são palavras de papel
quem se fere com poemas
não tem pele
pensa que o sofrimento é sangue
em vão usa a lágrima como torniquete
no papel do poema não há palavras
triste de quem as lava
usando o sangue como lágrima

Nenhum comentário:

RUA BENFICA

  o mais antigo numa casa antiga é o silêncio divide o corredor com o tempo ambos trôpegos quase abraçados espalham grossas pa...