sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

A COMIDA DO POETA

o que o poeta come
não o alimenta
come o mundo
e o mundo não o aumenta
ao contrário
o mundo come o poeta
por dentro
nem o poeta
nem o mundo
são o centro
estão ao lado de algo
que nem dura um momento
o mundo sente no poeta
o seu chão
o que alimenta o poeta
é a solidão

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...