quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

OLHOS VERMELHOS

diante da avenida
meus olhos vermelhos se abrem
nunca sei quando carrego o meu corpo
ele se descobre em algum momento
ao meu lado
já tive corpos melhores
hoje só esse sopro alongado
cobre viscosidades presas em canais
o sangue do meu olho
escorre pela minha face
talvez meu corpo nem saiba
confunde a luz da avenida
com reflexos sobre a minha pele
meu olhar ferido pela paisagem
procura compreender a dor do ver

Nenhum comentário:

NATIMORTO

  todo poeta nasce morto isso explica sua briga inútil com a vida usa palavras e delas se defende se transforma em estátua quand...