segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

NINGUÉM MORRE


ninguém morre de sal
ou de um sopro
ninguém morre no sul
ou ao perder o corpo
ninguém morre de si
ou do outro
ninguém morre
assume-se um escuro
que do olho do outro escorre

Nenhum comentário:

RUA BENFICA

  o mais antigo numa casa antiga é o silêncio divide o corredor com o tempo ambos trôpegos quase abraçados espalham grossas pa...