quinta-feira, 15 de outubro de 2009

CAIS


desembarco
entre pernas
lanço as amarras
fuga do que preciso
âncora esquecida
muito porto
pouca água

Nenhum comentário:

SEDE

 um poema escrito na água cumpre sua função  de sede